ZARATAN

Visitar Sítio Web do evento

Visita guiada

A ZARATAN – Arte Contemporânea, sediada em Lisboa, celebra 10 anos de existência em 2024, assumindo o seu lugar enquanto associação independente, contribuindo de forma inequívoca para a criação, reflexão, produção e divulgação do pensamento e da prática artística contemporânea em Portugal.

Os projetos realizados ao longo dos anos, trouxeram uma nova forma de contar a evolução da realidade contemporânea, aproximando o público de novas e diferentes possibilidades de aprofundamento e reflexão, estimulando a discussão através de exposições de artistas emergentes, exposições individuais e coletivas, palestras, tertúlias, performances e instalações.

Uma das suas práticas diferenciadoras, tem sido a de confiar a organização das suas exposições a artistas convidados, encarando desta forma uma percepção anti-hierárquica do mundo da arte – onde artistas, curadores, galeristas, críticos e público são todos considerados “jogadores” do mesmo jogo.

E este ano, pela primeira vez, a ZARATAN alarga o seu espectro de público organizando visitas guiadas em Língua Gestual Portuguesa, a 4 exposições com curadoria de 4 artistas de arte contemporânea.

A primeira visita guiada ocorreu ontem, 4 de Fevereiro, à exposição COLIBRI EM CHAMAS, com curadoria
da artista Maja Escher, com obras inéditas de Norberto Lobo, Oro Íris e Yaw Tembe, todos criadores com
percusos interessante noutras áreas, mas que nunca apresentaram ao público o seu trabalho em artes
visuais, nomeadamente em desenho, pintura, cerâmica e instalação. A visita foi conduzida por Maja Escher e
contou com a presença dos autores.

A 25 Fevereiro, às 17h, será apresentada a exposição individual ROSAS, de Lea Managil, que procura, num
amplo repertório de objetos e operações artísticas, reformar a extensa herança simbólica da Rosa. Ao
apresentar-nos a flor sob outras formas, compõe novo cosmos interpretativo, mais sensível aos nossos
transtornos atuais. A visita é conduzida por Lea Managil e Tomas Camillis.

LÁPIS AZUL, exposição coletiva que explora os métodos e efeitos da censura e as estratégias possíveis
para contorná-la, será apresentada a 31 Março, às 17h. Conta com a participação de um conjunto intergeracional de artistas: António Caramelo, Bárbara Bulhão, Fábio Colaço, Fernando Fadigas, Fernando J. Ribeiro, Filipa Bossuet, Isaque Pinheiro, Miguel Palma e Sandra Zuzarte.

A 19 de Maio, por ocasião do 50º aniversário do 25 de Abril, a Zaratan apresenta LÁPIS VERMELHO. A exposição considera a liberdade de manifestação como um dos alicerces dos regimes democráticos e explora os signos e símbolos que caracterizam a ideologia revolucionária e as ações de protesto (cartazes, caricaturas, slogans, bandeiras, murais). Com trabalhos de: António Olaio, Cristina Motta, João Fonte Santa, José Smith Vargas, Paulo Mendes, Primeira Desordem, Rodrigo Ribeiro Saturnino, Sara Fonseca da Graça, Sara & André, Teresa Dias Coelho, Tiago Baptista.

Quando

31 Março 2024, Domingo

17h00

19 Maio 2024, Domingo

17h00

Para Quem

Surdos

Adultos, Seniores

Serviços

Língua Gestual Portuguesa